Notícias

09 de Setembro de 2019

Sicredi apresenta panorama da educação financeira no VII Simpósio do Cooperativismo do Alto Uruguai

 

Evento promovido pelo Núcleo de Cooperativismo do Alto Uruguai levou para o debate educação financeira e alternativas de geração de energia elétrica

 

            Representantes de mais de 30 cooperativas que integram o Núcleo de Cooperativismo do Alto Uruguai participaram, na quarta-feira, 4, do VII Simpósio do Cooperativismo, realizado no Salão de Atos da URI Erechim. Na pauta do evento estavam temas que são trabalhados pelas cooperativas e estão na missão e princípios do cooperativismo, como educação financeira e alternativas para a melhoria da qualidade de vida das comunidades. A abertura foi feita pela coordenadora do Núcleo de Cooperativismo do Alto Uruguai e presidente da Coopusaúde, Dilva Galina Loch, ladeada pelo diretor geral da URI Campus Erechim, Paulo Roberto Giollo, pelo vice-prefeito de Três Arroios, representando a AMAU, Luiz Valdecir Pertuzzatti e pelo presidente da Unicafes Estadual, Gervásio Plucinski.

               

A Sicredi UniEstados, uma das 30 cooperativas integrantes do Núcleo do Cooperativismo do Alto Uruguai, levou para o público do VII Simpósio do Cooperativismo um panorama atual da educação financeira no Brasil e no mundo, com o palestrante, economista e especialista em educação financeira da Fundação Sicredi, Everton Lopes.

 

Everton iniciou sua palestra conceituando o que é educação financeira para a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE): ?uma pessoa educada financeiramente é aquela que está preparada para fazer boas escolhas com o seu dinheiro e usar corretamente e conscientemente os produtos financeiros?. Conforme pesquisa mundial realizada pela Standard&Poor`s, em cada três adultos, dois foram considerados analfabetos financeiros.

 

Everton ponderou que no Brasil, não é diferente. O país ficou na 74ª posição no ranking global. Em 1º está a Noruega. Na América Latina ficou atrás de Chile e do Uruguai. Segundo ele, a situação no Brasil é preocupante, uma vez que existem mais de 63 milhões de pessoas endividadas e quase 12 milhões de desempregados. ?Por isso, nós cooperativas, precisamos buscar reverter isso, fazer a nossa parte e mudar a vida das pessoas?, afirmou. Segundo ele, ganhar mais não resolve o problema de quem está endividado ou inadimplente. Criticou que esse tema não se discute nem em casa e nem na escola e informou que já está comprovado que é a terceira causa de separação entre casais no Brasil.

 

Entretanto, o especialista elogiou a iniciativa do Banco Central do Brasil, do Programa de Educação Financeira nas Escolas, com projeto piloto em 2020 e implantação em 2021. E, também, a realização da 1ª Olimpíada Brasileira de Educação Financeira em 2019, em andamento nas universidades brasileiras, sendo no RS, coordenada pela UFRGS.

           

O segundo momento do VII Simpósio foi uma mesa redonda com o tema ?Qualidade da energia elétrica urbana e rural e as alternativas para sua geração?. Participaram o presidente da Creral, Alderi do Prado, o consultor de negócios da região Alto Uruguai, Claudio Rodrigo Mânica, e o coordenador de campo da região de Erechim, Emerson Afonso Ludwig, ambos da RGE. Mediou o debate o coordenador do Centro de Extensão da URI Erechim, professor Julio Brancher. Tanto a Creral como a RGE colocaram que têm ocorrido melhorias nas redes de distribuição e que têm trabalhado no sentido de levar energia trifásica ao meio rural, visando, justamente a sua melhoria.

 

O evento encerrou com um almoço de confraternização entre os representantes das cooperativas que integram o Núcleo de Cooperativismo do Alto Uruguai e os mais de 200 convidados do VII Simpósio.